‘Por que gosto de crianças’: texto na Época explica minha pesquisa

Sem títuloEm novo texto publicado em meu espaço mensal no site da revista Época (dentro do blog da Ruth), falo um pouco sobre por que gosto de trabalhar com crianças e o que penso delas.

As observações da crônica vêm da minha experiência como jornalista mas sobretudo da minha pesquisa atual, em que entrevistei crianças e jovens portugueses e brasileiros. Espero que goste da leitura. Clique aqui e leia a íntegra.

 

Crianças falam sobre a crise em Portugal; veja vídeo

A Rádio Renascença, de Portugal, fez um vídeo apenas com crianças (“miúdos”, em Portugal), em que eles falam sobre a crise econômica pela qual o país passa. Sem narração e sem as perguntas feitas pelos repórteres, são as frases dos meninos e das meninas que constroem a narrativa: elas falam sobre os efeitos da crise, o medo do que pode vir a acontecer por conta da recessão (que não são pequenos), o que pode ser feito, como os que os políticos portugueses devem agir…

Sem título

Um belo exemplo de jornalismo com crianças e, ao mesmo tempo, para as crianças [ainda que não direcionado a elas, já que a rádio tem um caráter generalista). Um vídeo feito com respeito pela opinião dos “miúdos”, sem tratá-los como pessoas ingênuas, que nada sabem da sociedade em que vivem. Luís, 9 anos, diz que “não gosta de ouvir falar disso [da crise]… Porque preocupa-me”. E dá um grande suspiro… Já Alexandre, 8 anos [na foto acima] resume assim o cenário mundial (ou, pelo menos, europeu): “Uns conseguem saltar por cima do buraco e os outros afundam-se”.

Clique e veja o vídeo:

http://videos.sapo.pt/kgLfLvAolRvabLZVQ6pZ

UOL diz que ‘Monster High’ atrai meninas pela imperfeição, mas não ouve crianças

ReproduçãoA matéria não era destinadas às crianças, e sim aos pais. Mas o título “‘Barbie monstro’, Monster High atrai crianças por ser imperfeita” parecia indicar que meninas – e meninos, por que não – seriam ouvidas. A foto, com as primas Ana Beatriz Domingues Fernandes e Beatriz Fernandes Zamplonio cercadas pelas bonecas, também. Mas o texto do UOL Mulher chegou à conclusão de que as crianças gostam da boneca por seus “defeitos” ouvindo mães e especialistas. Mães, aliás, apenas de meninas, apesar de o título trazer o termo “crianças”.

Nada de novo, como já escrevemos, minha colega Renata Carvalho da Costa, doutoranda na Escola de Comunicações e Artes da USP, e eu, no artigo “O mundo da infância e a infância no mundo: vozes de crianças nas revistas brasileiras Veja e Época”, publicado na revista Rumores, da USP. O trabalho está disponível online.

Além de ouvir das próprias meninas por que elas gostam das bonecas (elas foram fotografadas, não seria difícil), faltou mostrar, penso, se os meninos também gostam da coleção (a imprensa pode contribuir com a desmistificação de certos papéis sociais, aos quais as crianças também são direcionadas) e, talvez, o exagero no colecionismo, tendo em vista o número de bonecas que as meninas apresentaram na foto.

Gostaria de ouvir sua opinião a respeito, além de sugestões, críticas e exemplos de peças jornalísticas interessantes, envolvendo crianças. Deixe seu comentário aqui em embaixo ou me envie um email: j.doretto@uol.com.br